Do Amor o Avesso

Do Amor o Avesso

 

Solta no meu pátio restou a besta.

Um sapo rasteiro e sua gosma.

Uma cinza coruja miando.

Lisos limos sob a folhagem.

A cobra, a cobra, a cobra a rastejar-se para fora da boca.

Restos de asas e pernas e sombras sobre onde fazem ninhos as baratas.

 

No interior da casa há escuro mar.

A tinta roxa vomitada sobre a vida: um enorme polvo.

Anúncios

Sobre dancewithyou

desejos de sea, sex and sun e só.
Imagem | Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s